sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Paradoxos

As mulheres muito decididas que me perdoem, mas um pouco de doce é fundamental. É preciso ser mais caça que caçadora, sem nunca deixar de ter aquele olhar que só vocês sabem fazer - provocante com vergonha, envergonhado com um tanto de malícia. É preciso aquele jeito de mexer nos cabelos que é um chamado e ao mesmo tempo um aviso.
É preciso ter um riso permeado de tristeza, como um olhar perdido no horizonte, a espera de algo que ela sabe que não vai chegar. Também se deve mostrar frágil sem deixar de ser guerreira, que nos dê uma vontade de cuidar, de proteger de todo o mal que existe lá fora - mesmo sabendo que, no fundo, vocês são mais fortes que a gente.
Imprescindível também é aquele mistério todo, aquele pensamento que é impossível seguir, aquela aparente falta de sentido em tudo. É necessário também saber chorar, gritar e soluçar se, por causa dessa nossa insensibilidade, acabamos por não entendê-las. E não se pode negar o efeito devastador que aquela lágrima solitária a rolar pelo rosto tem sobre nós.
Básico também é que vocês se encontrem sempre além de nossas esperanças, por mais que já as tenhamos conquistadas. Que sempre nos ponha em dúvida sobre os teus sentimentos, que nunca nos dê a certeza que nos deixe desleixados. É preciso que sempre tenhamos a impressão de que, num piscar de olhos, vocês não estarão mais do nosso lado.
É gritante a necessidade de um quê de timidez, um restinho de um aparente medo do mundo que só torne ainda maior a impressão de que são etéreas, de que estão muito longe para serem tocadas.
Que tenha uma um pouco de molecagem sem deixar de ser feminina, um pouco de força com fragilidade, um bom tanto de tristeza sem deixar de ter alegria.
Mas mais essencial ainda é ter algum defeito - que não seja grave! -, que, sem ele, não seria tão perfeita assim. Uma cicatriz no joelho, uma pequena imperfeição no rosto - só visível muito de perto! - ou uma mania estranha. E sardas! Ah... um pouco de sardas só existem para deixá-las ainda mais perfeitas.

É preciso que tudo isso exista junto, que seja sem ser e que não se tente entender. Porque por maior paradoxo que sejam, também o é o que vocês nos fazem.
"...é um contentamento descontente..."

3 comentários:

  1. Ouvindo Lose You fica ainda melhor!
    Um beijo, Gu. (:

    ResponderExcluir
  2. olá! gostei do teu ponto de vista sobre as mulheres...http://jaemfrente.blogspot.com

    ResponderExcluir