terça-feira, 28 de julho de 2009

Sobre ex, McDonald's e auto-crítica

ou Café requentado perde o gosto [Uhlmann, J. 2009]
ou Figurinha repetida não completa álbum

Uma das coisas que eu mais demorei pra aprender (eu acho que agora aprendi) em relacionamentos foi exatamente isso: figurinha repetida não completa o álbum. Mas não estou falando no sentido em que muita gente usa, de que ficar mais de uma vez com a mesma pessoa é chato - o que eu não concordo, claro. Estou falando no sentido de que se você namorou alguém por um bom tempo e terminou por um motivo qualquer, voltar com essa pessoa não vai dar certo.
Também não estou pregando aquele radicalismo que diz que "Ex bom é ex morto", afinal tenho um bom relacionamento - só amizade agora - com quase todas as minhas exes e eu acho isso bom. Afinal, como diz o grande Oswaldo Montenegro, "a ex é eterna": aquela pessoa só vai deixar de ser sua ex se, por um acaso do destino, vocês voltarem a namorar - e, acredite em mim, isso não é bom pra nenhum dos dois e só vai fazer com que ela volte a ser sua ex mais uma vez, quod erat demonstrandum. Então, se você vai ter que conviver com aquele ser o resto da vida, que seja de uma maneira agradável pra ambos os lados, não?
Mas como eu estava dizendo, este negócio de ficar indo e voltando que nem couro de pica [Frensch, A.C.C. 2009; Soltosky, J.A. 2007] não dá certo e nunca teria como dar certo. Afinal, se vocês terminaram, foi porque alguma coisa entre vocês dois não estava bem - seja porque você não aguentava um defeito dela ou o contrário - e um tempo longe um do outro não vai trazer uma mudança assim tão grande: ela (ou você mesmo) vai continuar com o mesmo defeito que outrora tinha e, por mais que tente controlar, um dia isso vai voltar e você (ou ela) não vai aguentar e o namoro vai chegar ao fim, mais uma vez. E acredite em mim quando eu digo que cada vez mais é mais doloroso e difícil, para ambos os lados.
E, vamos ser sinceros (e esta parte é uma auto-crítica): ficar indo e voltando em um namoro é patético. É como se você confessasse o quão inútil você é para conhecer novas amizades e/ou o quão intragável você deve ser, uma vez que não consegue arranjar ninguém que te queira. E, principalmente, você está jogando fora a chance de conhecer alguém melhor que ela, ou que, pelo menos, não tenha aquele defeito que você julga insuportável.
Como eu disse, namoro com ex nunca dá certo. Não adianta: o que incomodou muito antes, vai continuar a incomodar agora. E você, além de tudo, perde a chance de talvez, conhecer a sua alma gêmea uma pessoa legal e com que você não passe tanta raiva. Então, levante essa bunda gorda, apague o e-mail que você ia mandar para a sua ex, apague o número do telefone dela do teu celular (ou não, pra você saber quando ela liga E NÃO ATENDER) e vá conhecer alguém melhor. Sério, vai ser melhor pra todo mundo. (Esta parte também foi uma certa auto-crítica)

O grande problema disso tudo é que ex é igual McDonald's...

segunda-feira, 20 de julho de 2009

20 de Julho

Dia 20 de julho é o dia do amigo! Taí uma data que eu sabia que existia - quem nunca recebeu um e-mail com um ppt comemorando o dia do amigo? - mas que eu nunca soube quando era! Até ver as propagandas da Skol (muito boas por sinal), que me trouxeram luz para esta questão tão fundamental. Afinal, amigo é muito importante. Aliás, na minha modesta opinião, este dia deveria ter mais impacto que o Dia dos Namorados: muita gente não tem um namorado, mas quase ninguém não tem um amigo. E eu considero um bom amigo mais importante que uma namorada: amigos podem te apresentar futuras namoradas, agora o inverso é mais difícil - mas não impossível, a minha experiência comprova.
Um bom amigo é a pessoa mais importante que você pode conhecer na vida - família não conta, você não escolhe! - e é aquele cidadão que sempre vai estar no seu lado. É aquela pessoa que você pode contar pra tudo o que precisar e a hora que precisar. Mas existem algumas regras para identificar um bom amigo e elas precisam ser seguidas à risca para uma amizade verdadeira existir. Vamos a elas:

- Amigo de verdade é aquele que não te impede de cometer um assassinato, te ajuda a esconder o corpo. Explico: Situação hipotética: você está namorando, é um cara comprometido e fiel mas a sua namorada deixou você viajar com seus amigos no carnaval. Lá, entre colombinas, pierrots, arlequins e gente bêbada vomitando na sua frente, aquela pessoa sensacional resolve dar em cima de você, mas você, fiel e comprometido, faz de conta que não é contigo. O que um amigo de verdade faz nessa hora? Te chama de veado e diz que, se você não pegar essa gostosa, vai apanhar. E você, obediente aos princípios da amizade, faz o sacrifício, claro! Na volta do carnaval, sua namorada pergunta se você se comportou bem e o seu amigo, amigo de verdade, diz - com a cara mais lavada do mundo - que você ficou em casa o tempo todo, vendo o carnaval pela TV.

- Amigo de verdade é aquele que aponta e te diz um sonoro "SE FODEU" quando alguma merda acontece com você. Você e seu amigo de verdade estão andando em uma rua movimentada quando não mais que de repente você tropeça, sai catando cavaco por uns 20 metros e se amontoa de boca no chão. O seu amigo prova a amizade usando uma das mãos para segurar a barriga, a outra para apontar pra você e ri da sua cara até não poder mais. Depois de uns 15 minutos rindo da sua cara, aí sim é que ele vai te juntar, te ajudar a levantar - isso se nenhum desconhecido já tiver feito isso.

- Amigo de verdade é aquele que não pede licença pra entrar na sua casa. Amigo é aquele cara que chega na sua casa nos horários mais exdrúxulos, às vezes sem avisar ou, no máximo, avisando que está na portaria e que é pra você por uma roupa pra que ele não tenha que ver a sua bunda peluda. E quando entra na sua casa, mal te cumprimenta e já vai atacar a sua geladeira - reclamando primeiro, claro, da qualidade e quantidade de víveres (cerveja) que você tem em casa.

- Amigo de verdade é aquele que te faz passar vergonha. Amigo é aquele cidadão que te cumprimenta com um tapa na bunda em lugares públicos. Que te manda beijo em frente a sua nova namorada (que ele acabou de conhecer). Que, no meio de um supermercado lotado te pergunta se aquela linguiça tá "de bom tamanho pra você, amor" ou se você quer uma mais grossa ainda. Enfim, aquele que te coloca em situações constrangedoras SEMPRE!

- Amigo de verdade é aquele que não tem horário. Ele te liga as 4 da manhã e pede algo que você faz, logo após xingar ele até a décima quinta geração por te acordar, filho da p***. Mas você também pode ligar pra ele a hora que for que, após ser xingado, também vai conseguir o que precisa.


Enfim. Feliz da pessoa que tem alguém que se encaixa nessas regras. Eu, felizmente, tenho vários amigos assim e todos são igualmente importantes pra que eu me sinta bem. Como disse Mario Quintana, alguns deles não sabem o quanto são importantes pra mim - talvez pelo pouco tempo que temos -, embora isso não os diminua em nada. Mas, em compensação, tem alguns que sabem isso muito bem e que, às vezes, até abusam. Mas tudo bem, amigo é pra isso mesmo.
Eu só queria aproveitar esse dia - que repito, deveria ser mais importante que o Dia dos Namorados - pra reafirmar, para os que ainda não sabem disso, que eles são muito importantes para a minha vida e que, se não fossem por eles, tudo seria em tons de cinza.

É. Eu to sentimental hoje.

domingo, 12 de julho de 2009

Fiado Só Amanhã!

Bom, gente! Pra quem não viu o antepenúltimo post eu aviso de novo: o blog está mudando de nome, principalmente porque eu achava que Mapas do Acaso já não se encaixava direito no que isso aqui se tornou. Então aqui está: este pequeno blog agora se chama Boteco 84.

Mas por que Boteco, Gu?

Enfim... a ideia do nome surgiu lá em São Carlos, em um Boteco (ah, não diga!) em que uma pessoa que não importa quem é (hehehehe) disse que seria uma boa ideia e eu gostei. Principalmente porque boteco é aquele lugar em que se pode discutir sobre tudo, pode-se defender a ideia mais absurda ou a teoria conspiratória mais maluca que sempre vai ter um bêbado (ou garçon) amigo que vai te escutar.
Entre e fique à vontade que aqui o garçon é amigo e você chama pelo nome, o chopp é sempre gelado e o banheiro quase limpo. Sirva-se também da porção de fritas, do ovo de codorna fazendo aniversário e do indispensável rollmops.
Aproveite a promoção, mas os que bebem pra esquecer, por favor paguem adiantado.

E fiado só para maiores de 90 anos acompanhados dos pais.

sexta-feira, 3 de julho de 2009

Como Vencer uma Mulher em uma Discussão

Quando um homem e uma mulher discutem, cada um dos dois tem um objetivo diferente; cada um dos dois vai se considerar vencedor em momentos distintos. A mulher, pelo menos até onde eu consegui entender, quer ver o parceiro praticamente rastejando aos seus pés, pedindo desculpas até pelo que ele não fez. Ou então, só encher o saco mesmo - ainda não consegui, e acho que nunca vou, entender o que passa na cabeça delas. Agora, para o homem, a vitória é fazer ela chorar. Não aquele choro compulsivo, que elas usam como chantagem emocional (e que, infelizmente, quase sempre dá certo); nós queremos sempre ver aquele pequeno ponto brilhante no canto dos olhos dela, aquela lagriminha que aparece por mais que vocês, mulheres, tentem esconder.
É difícil pra mim, homem, admitir isto, mas é virtualmente impossível ganhar de uma mulher em uma discussão. E quando falo em discussão, eu quero dizer uma discussão homem-mulher, de casal - não entra aqui discussões sobre política, ciência, futebol ou qualquer outro tipo de argumentação -, a mulher vai ganhar a discussão em 99,9% das vezes. E vai ganhar por vários motivos, todos eles devido, principalmente à astúcia, estratégia e chantagens emocionais - em que elas são, também, imbatíveis.
Existem casos em que vocês, mulheres, se aproveitam da nossa falta de vontade em discutir: vocês escolhem os piores horários para conversar sobre os assuntos mais bizarros, como perguntar o que a gente queria dizer quando falamos que a sobremesa que vocês fizeram ficou diferente - e em nenhum momento nós dissemos que ficou pior - do que da outra vez: seja as quatro horas da manhã, nos acordando, seja enquanto estamos relaxados no sofá da sala, desprotegidos do resto do mundo, concentrados assistindo ao futebol - mesmo que seja da série C do campeonato acreano, nós queremos assistir. Nestas horas, mulheres, fiquem felizes se vocês receberem um "Rmmwlmnswl" como resposta: isso significa que nós estamos tentando prestar atenção em vocês e que se vocês tentarem conversar com a gente outra hora a gente vai te ouvir. Nesses casos - o que dá uns 80% das "discussões - nós perdemos por W.O.
Mas vamos falar dos 20% que imporam: os 20% em que nós, homens, estamos dispostos a ouví-las e discutir racionalmente o assunto. Racionalmente... é aí que a vaca vai pro brejo. É IMPOSSÍVEL(!!) que uma mulher discuta racionalmente. Pra começar, já é difícil descobrir o porquê da DR: ela vai estar lá, sentada no sofá com a cara amarrada e você, homem, com a melhor das intenções, vai perguntar pra ela "querida, o que foi que houve?". E isto era o pior erro que você podia ter cometido; se você tiver sorte, ela vai dizer "O que você acha?!?" e ficar quieta, esperando que você, com poderes adivinhatórios de fazer inveja à Mãe Diná e Walter Mercado juntos, descubra o que é que você fez pr'aquela pobre alma - e acredite, geralmente você não fez nada mesmo: e aí já foi mais uns 5% das discussões perdidas.
"E os outros 15%, Gustavo?" você vai me perguntar. O restante é aquelas discussões que fazem da vida a 2 um inferno às vezes; mas também é nesses casos que nós, homens, temos a mínima chance de sair vitoriosos, mas também é um terreno perigoso, onde qualquer mínimo erro pode por tudo a perder. Mas a estratégia das mulheres é sempre a mesma e conhecer esta estratégia é o único jeito de ter uma chance de vitória. Vamos, primeiro, conhecê-las para, depois, discutir as contra-estratégias.
O "modo de ação" de uma mulher durante uma discussão é muito simples de identificar - porém, praticamente impossível de prever onde vai levar. Explico: isto se deve ao fato que uma mulher, em uma discussão, perte totalmente o senso de objetividade, racionalidade e, principalmente, lógica. Não importa qual seja o assunto que vocês estão discutindo, os argumentos dela vão girar por 5 pontos principais: a) Você não ama ela; b) você nunca presta atenção nela, por isso você não entende; c) alguma mulher - que você conhece ou não - que, ela cismou, te dá mole; d) você tem outra (por mais que não tenha) e, finalmente, e) sua mãe é uma jararaca ou o seu pai é um idiota. São nestes pontos em que a argumentação dela, principalmente quando você estiver discutindo tudo seguindo - pobre infeliz iludido - uma linha de raciocínio clara.
Então, pequeno padawan, esteja preparado. Tenha respostas prontas contra estes argumentos (exceto o e, que ela vai usar só em momentos de desespero - já chego lá). Sempre refute, com veemência (nossa, duas palavras que eu sempre quis colocar em um texto de uma vez só) mas com a calma e a presença de espírito dignas de um monge budista em meditação, o que ela disser. Negue, até a morte, por mais que seja verdade, e tente sempre desconstruir os argumentos delas expondo fatos concretos, que até ela pode ver. E nunca - eu disse NUNCA! - fique irritado: é isso que ela quer.
Mas muito cuidado nessas horas! Se ela sentir que a discussão não está indo para onde ela quer, ela vai partir para a ignorância, ela vai usar os seus poderes de terrorista mental. Ela vai começar a concordar com tudo o que você diz - isto é ruim, acredite - e, quando você tiver começando a baixar as suas defesas, vai soltar alguma coisa (geralmente associado ao item e) que vai te fazer perder a cabeça. E aí, pequeno gafanhoto, você perdeu a discussão mais uma vez. Porque então, irritados, começamos a falar cada vez mais alto e, o pior, não pensamos mais direito no que vamos falar. E isso quer dizer DERROTA!
Recapitulando: para ter uma chance mínima de vencer uma discussão contra uma mulher é preciso: manter a calma, refutar todos os argumentos dela com fatos, tentando trazer a discussão para um terreno mais firme, onde a lógica possa existir e, principalmente, negar - até a morte - todas as acusações que ela fizer.


PS: Além de toda esta contra-estratégia, existe um curinga que nós podemos usar contra qualquer mulher e pode ser feito de duas formas: ou deixar ela falando sem parar ou responder tudo com a maior calma possível. Até ela se irritar e começar a chorar e espernear. Neste momento, você usa o Ás que tinha guardado na manga: olhe bem nos olhos dela, segure-a, delicadamente, claro, pelos braços e pergunte, com a maior calma do mundo, "por que você tá agindo que nem uma maluca?" ou ainda "por que você tá gritando desse jeito?".