sexta-feira, 5 de junho de 2009

Oh, Cride! Fala pra mãe...

Pra começar o assunto, da Wikipedia: "O Teatro Mágico é um grupo musical brasileiro formado em 2003 na cidade de Osasco, São Paulo. O TM é um projeto que reúne elementos do circo, do teatro, da poesia, da música, da literatura e do cancioneiro popular tornando possível a junção de diferentes segmentos artísticos num mesmo espetáculo."
Ok, eu gosto d'O Teatro Mágico, das músicas deles. O show, então, é ótimo... até que o Fernando Anitelli resolvia abrir a boca e falar contra a "mídia", o mainstream, que seja. Eu lembro que o primeiro show que eu fui, o vocalista da banda incitou a platéia a xingar a resvista Veja, que tinha feito uma crítica sobre a banda (ou trupe, como ele gosta de chamar), que eles não gostaram. Quando o púplico rompeu em berros de "Ei, Veja! Vai tomar no cu!", eu, chocado - e meio enojado, até - vi a satisfação por trás da maquiagem de palhaço do Anitelli: ele tinha cumprido o que queria, bater no peito e dizer que não precisa da "mídia", da grande imprensa.
Eis que a banda lança o segundo CD, Segundo Ato. E, nele, existe uma música chamada Xanéu N 5 - que eu sempre pulo quando escuto o CD, aliás - em que este discurso contra a mídia, mainstream, whatever mira a televisão. Tem até um trecho da música em que uma pessoa qualquer fala, com barulhos de fundo, como se ele estivessa dando uma entrevista no meio da rua: "Pô tô cansado de toda essa merda que eles mostram na televisão todo dia mano, não aguento mais, é foda!" (sic). Justamente quando O Teatro Mágico começa a aparecer com mais frequência na TV.
Mas não era sobre O Teatro Mágico que eu queria escrever - embora a inspiração tenha vindo desta música. Era sobre TV mesmo. Ou melhor, sobre as pessoas que reclamam dos programas de televisão mas não a desligam. Aquelas pessoas que falam mal de tudo o que passa na televisão mas assistem, vidradas, por horas a fio todos os dias. 
Eu não sou o maior fã de televisão, não. Costumo dizer que TV, na minha casa, só serve pra ligar o videogame ou o DVD. De vez em quando, pra ver esportes ou algum programa muito bom. Mas também não tenho problema algum em ligar a TV de vez em quando pra relaxar, pra desligar um pouco o cérebro e me divertir sem usar ele. Porque, na minha opinião, é pra isso que a TV serve: diversão. Se você quer aumentar a sua cultura, vai ler um livro, por exemplo. Deixa a TV pra quando você não quiser pensar.
Eu não nego que a qualidade dos programas da televisão brasileira está sofrível. Claro que sim: basta assistir 5 minutos de Zorra Total ou qualquer programa de domingo à tarde. Mas isso só reflete a "qualidade" cultural do povo brasileiro. Estes programas só existem porque tem quem assista, porque tem quem goste deles. Se todo mundo desligasse a tv durante estes programas, ninguém iria anunciar neles e o programa acabaria. Só não acaba, porque tem gente - e muita - que gosta.
Portanto, a TV brasileira só vai melhorar quando o povo quiser coisas melhores, quando o humor apelativo Zorra Total não fizer mais sucesso. Não vai adiantar em nada tentar impor programas melhores na TV, tentando melhorar o telespectador. Aí, sim, ele desliga a TV e vai fazer qualquer outra coisa. O que se poderia fazer era o contrário: melhorar o telespectador para, então, melhorar a TV - embora eu não ache que seja uma boa. Como eu já disse, TV é diversão. Quer cultura, leia um livro, por exemplo.
Mas o pior de tudo, pra mim, é quem critica a TV só pra parecer intelectual, culto ou seja lá o que for. Parece que está na moda jogar pedras no que essas pessoas chamam de "mídia" ou "grande mídia": e, nesses casos, sempre sobra pra Globo e (fugindo um pouco do assunto) pra Veja - como no caso citado lá na introdução. Parece que, pra você ser aceito como pessoa culta, tem que desprezar tudo o que tem uma grande influência, tudo o que chega a um grande número de pessoas.
E é muito fácil falar da TV na frente dos outros e, em casa, assistir tudo aquilo que diz desprezar. Ou, como no caso d'O Teatro Mágico, xingar a TV enquanto aparece nela pra ganhar dinheiro.

4 comentários:

  1. Raquel diz:
    "yesterday, i watched luciana gimenes and it was extremelly fun"
    Raquel diz:
    "i dont think im getting more stupid because of watching tv shows. i get my culture from other soucers. tv is for fun."

    Estava com o comentário pronto, já. Ah, aquela coisa de sempre: a Globo e a Veja são coisa do demo, blablablá, fala com a minha mão.

    ResponderExcluir
  2. Quanto a Veja, ela tem uma posição política declarada, posição essa que eu abobino, o que deve ser o mesmo caso do cara do Teatro Mágico. A Globo não é muito diferente.

    Não concordo com a idéia de que é culpa do telecspectador, mas isso é uma questão estrutural e em certa medida o teu ponto de vista não esta errado.

    Pois é voltei! HEHEHE... Só pra te perseguir.
    =P

    Alias, tu lembra de mim? Eu fui pra Curitiba uma vez com o Parachen. Bom, abraço.

    ResponderExcluir
  3. Não sou adepto desse lance de que a TV é puramente o reflexo da audiência. Claro que a massa não vai querer, de uma hora pra outra, trocar a Zorra por uma exibição de um concerto de Tchaikovsky no sábado a noite, por exemplo.

    Mas isso pode ser trabalhado. Ainda mais em um país de cultura bastante televisiva, com grandes experiências nesse sentido (Futura, Telecurso e toda programação do início de sábado e domingo, na Globo).

    Se tem uma coisa que a TV brasileira sabe fazer é programa lúdico e de boa qualidade técnica. Só precisa aprender a não cortar conteúdo e fazer algo legal, mas não acéfalo. E é aí que o problema mora.

    Bota alguém pra explicar como uma orquestra funciona; pra tocar chorinho ou MPB ao invés de erudita; joga a Patrícia Poeta, o Zeca Camargo ou qualquer outro apresentador desses "descolados" pra ancorar que a galera vai atrás.

    Só que pra isso é preciso arriscar tempo de produção, horário de exibição, custos de tempo de comerciais... Grana, enfim. E nisso pouca gente tem coragem de mexer.

    Enfim... Mais um comentário gigante. hahaha

    ResponderExcluir
  4. Que texto horroroso este seu.primeiro que vc começa falando de teatro magico..faz nós lermos 3 paragrafos ,pra depois dizer que não queria falar de teatro magico,fumou?Se fumou ok ,nada contra,mas que merda de texto,mais contraditorio encontrado no google é oseu.
    Vc cita que se quiser mais cultura ''vá ler um livro'' todo livro demonstra cultura?e não existe nenhum canalzinho que vc não possa aprender nem que seja uma palavra nova?pensa um pouco antes de falar que os outros que querem ser intelectuais ao falar sobre tv,pq quem demonstra querer ser intelectual é vc...com palavras em outro idioma que não trazem nenhuma ''adição'' ao texto,pois ingnorei-as..e ai,elas me serviram de alguma coisa?o titulo,só entendem o titulo quem tem um ''pouquinho de cultura'' como vc né ao escutar titãs..ridiculo isso.Primeiro vc acha tv ridicula depois fala que assiste um programa quando é MUITO BOM?ué,se é ruim no maximo deveria ter um programinha ''regularzinho''..vc usou seu argumento contra a televisão e ele voltou contra vc...

    ''Mas o pior de tudo, pra mim, é quem critica a TV só pra parecer intelectual, culto ou seja lá o que for. Parece que está na moda jogar pedras no que essas pessoas chamam de "mídia" ou "grande mídia": e, nesses casos, sempre sobra pra Globo e (fugindo um pouco do assunto) pra Veja - como no caso citado lá na introdução. Parece que, pra você ser aceito como pessoa culta, tem que desprezar tudo o que tem uma grande influência, tudo o que chega a um grande número de pessoas.''

    sem mais

    ResponderExcluir