terça-feira, 26 de maio de 2009

Coreia do Norte: O Louco e a Bomba

Uma das coisas que eu acho meio absurdas - e que, de certa forma refletem o modo de pensar do brasileiro - são os sites de notícias, como o globo.com, darem mais destaque a assuntos irrelevantes - bobos, até - em vez de dar destaque ao que importa realmente.
No caso de hoje, eu sofri pra achar notícias sobre o teste nuclear que a Coreia do Norte realizou (já entro no assunto, depois dessa introdução) porque o site dá um maior destaque à "arte" que abelhas fazem com ajuda de moldes ou para um divã de couro para o seu cachorrinho. Lamentável.

Mas chego no assunto que eu queria tratar aqui. Eu realmente fiquei assustado quando a apresentadora do Jornal da Globo, com uma voz mais séria e com um silêncio ao fundo maior que o habitual, falou que a Coreia do Norte tinha realizado um teste de uma bomba nuclear. Assim, sem maiores informações - era apenas uma chamada da notícia que, obviamente, iria ao ar no fim do jornal. Abro correndo os meus sites de notícia preferidos e - com uma certa dificuldade inicial explicada anteriormente - leio tudo o que foi publicado sobre o fato. Vamos lá.
A Coreia do Norte, desrespeitando tratados que tinha assinado com alguns países (como Rússia, China, Japão, EUA) fez o seu segundo teste nuclear. O outro foi a 4 anos e gerou a busca de acordos desses países com a Coreia do Norte. Segundo os sites de notícia, o país tem tecnologia suficiente para jogar essas bombas - com capacidade para destruir uma cidade -, atualmente, no Japão e na Coreia do Norte e quase consegue chegar até o Havaí. E, dizem os especialistas, do Havaí pros EUA propriamente ditos, é um pulo. E isso me deixou mais assustado que a voz séria da apresentadora do Jornal da Globo.
Tudo bem, eu sei que o poderio das bombas atômicas que existem no mundo é tal que elas podem destruir o mundo inteiro um quintilhão de vezes antes que eu consiga falar "indubtavelmente" três vezes bem rápido sem gagejar. Mas, querendo ou não, a maioria delas estão em poder de governos razoavelmente lúcidos, que não teriam coragem de apertar o botão vermelho (eu sempre imagino o "gatilho" dessas bombas com um botão vermelho dentro de uma proteção de vidro). Os menos lúcidos que têm eram até agora a Índia e o Paquistão que, acho eu, nunca usariam um contra o outro porque a briga deles é pela Caxemira - e nenhum país em sã consciência detonaria uma bomba atômica em um território que pretende ocupar.
Mas agora o caso é diferente. A Coreia do Norte é um país miserável, governado por um louco homicida. A economia do país só sobrevive por causa da ajuda internacional - que foi ameaçada de interrupção justamente devido à pretenção nuclear de Pyongyang. E agora, este maluco que governa o país testa uma bomba atômica como quem diz "se vocês não me ajudarem, olha só o que eu jogo em vocês". É mais ou menos aquela história do "Eu poderia estar roubando, eu poderia estar matando. Mas eu estou pedindo" - quer dizer que, se eu não fizer o que você tá pedindo, vai roubar e matar?
Mas fugi do tema, como sempre. Volto: agora o mundo tem um maluco homicida com uma bomba atômica. E, dizem, que o Irã - outro país comandado por um maluco, desta vez fundamentalista - pode estar fazendo a sua também. E nada impede que eles a usem, o Irã contra Israel e a Coreia do Norte contra a Coreia do Sul ou o Japão - todos eles aliados e "protegidos" dos EUA. E daí pra uma Guerra Nuclear é rapidinho.
O que a gente pode esperar é que alguém - EUA, Europa, ONU (duvido), ou o próprio povo da Coreia do Norte (duvido mais ainda) - consiga parar esse maluco. Esse e todos os que têm as mesmas pretenções dele. Porque senão a coisa começa a ficar cada vez mais perigosa pra todo mundo.

3 comentários:

  1. Oi. Achei seu blog pelo Colméia. Você escreve superbem. Gostei muito, vou voltar sempre.

    ResponderExcluir
  2. Também achei seu Blog pelo Colméia. E parabéns pelo Post, ajudou muio

    ResponderExcluir
  3. o mundo vai fazer BUM!!!!
    lol

    ResponderExcluir