sábado, 28 de fevereiro de 2009

Top 5: Pérolas da Sabedoria do seu Agostinho

Se existe alguém que eu conheço e que posso chamar de sábio, este alguém é o meu pai. Posso dizer que já aprendi muito com ele, principalmente no que diz respeito a relacionamentos. Algumas frases dele eu repito sempre que posso (dando-lhe o devido crédito, lógico) e são sempre recebidas com alguns "é verdade" ou "eu nunca tinha pensado nisso, mas você tem razão". Mas enfim, aí vão 5 pérolas de sabedoria do Seu Agostinho, aka meu pai.

1 - Criança é igual a peido: a gente só aguenta os nossos.
Agora meu pai nem tá falando tanto isso, pelo simples fato de agora ele ser um avô coruja. Mas sempre que alguém sequer mencionava a ideia de ele cuidar de alguma criança, ele soltava essa frase. E que, convenhamos, é a mais absoluta verdade: você até consegue aguentar a criança por um tempo, mas esse tipo de gente sempre fica chata uma hora do dia. E, nessa hora, é insuportável e é hora de devolvê-las para os pais. 

2 - Se for fazer cagada, faça bem feita. E nunca por escrito ou deixando provas.
Bom. Esta é quase auto-explicativa. Ele sempre diz que a pior cagada que alguém pode fazer é por escrito, uma vez que a chance de escapar é mínima quando descoberto. Portanto, ele sempre aconselhava a falar qualquer coisa passível de repreensão (de qualquer forma) ao vivo, pessoalmente. Mesmo por telefone é perigoso.

3 - Se descobrirem, negue até a morte. Mesmo contra todas as evidências.
Este conselho complementa o conselho anterior. Meu pai sempre me aconselhou: se, por exemplo, alguém descobrir que você saiu quando disse que ia ficar em casa ou coisa parecida, negue. Mesmo se te mostrarem uma foto sua, negue. Se mostrarem um vídeo, em que você aparece pelado, com um jornal do dia e xingando a sua namorada, negue. Negue até a morte, uma hora acreditam.

4 - Nunca largue um emprego sem ter outro em vista.
Este meu pai me falou quando eu tinha terminado com uma namorada minha, há um bom tempo. Ele me perguntou se eu já tinha outra em vista e se era por isso que eu tinha terminado. Eu falei que não, ele balançou a cabeça negativamente e falou estas palavras que nunca esquecerei. Você nunca larga um emprego pra ficar desempregado, é sempre porque achou algum outro melhor.

5 - Mulher não pensa, cisma.
Meu pai sempre repete este. Mulher não pensa, cisma. E quando cisma com alguma coisa, meu amigo, não há quem tire isto da cabeça dela. Você pode ter os melhores argumentos e todos os fatos e evidências ao seu favor que não adianta. Ela ainda vai continuar cismando. Ela só vai parar de cismar quando você admitir que ela está certa. Mas, nestas horas, lembre-se do ensinamento numero 3: negue. Até a morte.

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Apenas palavras

Existem palavras e aquelas palavras que você torce para que tenha a oportunidade de usa-las nas frases. Eu mesmo, tenho uma lista um tanto grande de palavras que, assim que eu uso, eu acabo exclamando que "eu sempre quis usar essa palavra!". Mas também existem palavras horríveis, que me dá um ruim só de falar elas. Enfim, segue uma lista de 5 palavras que eu sempre uso quando minimamente possível e a palavra que eu considero a mais feia da língua portuguesa.

- Epifania

Epifania é muito mais do que uma simples revelação. É um momento em que todos os seus problemas, quiçá o mundo inteiro, perde aquele véu de mistério que existe nos outros momentos. Não é possível nem quantificar o quão revelador é uma epifania a não ser que eu tivesse uma enquanto escrevia isso. Não tive.

- Supimpa

Não existe qualquer palavra que demostre o grau de legalzice de alguma coisa como Supimpa. "Legal", "massa" ou "tchubaruba" não chegam aos pés de Supimpa. Quando alguém fala esta palavra é como se o céu abrisse e iluminasse o cidadão, enquanto um coral de anjos cantam a mais bela das melodias.

- Quiçá

Uma palavra que não existe como explicar a emoção de utilizá-la. Se for acompanhada, então, de uma volta no ar com o dedo indicador levantado, é deveras impactante durante um discurso. Durante uma discussão, tem o peso do melhor dos argumentos possíveis.

- Deveras

Para destacar ou afirmar a veracidade de algo, não existe nenhuma palavra como o deveras. Após um deveras, qualquer frase ganha tons de verdade absoluta. Contra um deveras não existe argumentos.

- Perspicaz

Dizer que alguém é inteligente, esperto não é suficiente às vezes. Nessas horas, só é possível demonstrar o quão inteligente é a pessoa com um "perspicaz". Pode ser substítuído, para não se tornar tão repetitivo - embora com um peso menor - por um "sagaz". Mas não é a mesma coisa.


- Garfo

Garfo. A pior palavra da língua portuguesa. Nem mesmo "ceborréia", "gonorréia", "leucorréia" ou qualquer outra terminada com "réia" é tão feia quanto garfo - a palavra, não o que elas significam. É impossível para qualquer frase que contenha a palavra - me recuso a escrevê-la novamente - tenha qualquer beleza.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Ser ou não ser (um nerd)

Se existe algo que eu tenho uma raiva imensa é daquelas pessoas que ficam rotulando e classificando as outras. Ou, pior ainda, quando ficam tentando provar que ele é mais aquela coisa que você. E isso é o que está acontecendo no meio nerd, o que só serve pra provar, para os que achavam o contrário, que os nerds não são nem melhores nem piores que as demais pessoas e as demais "tribos".
Antigamente, no meu tempo de escola (como se fosse há tanto tempo assim), ser um nerd era motivo se não de vergonha, de isolamento da sociedade. Aquele aluno que tirasse notas mais altas que a média já era visto com desconfiança por toda a turma. Se descobrissem que o infeliz ele passava horas e mais horas por dia na frente de um computador ou um videogame, estava fadado ao ostracismo em plena sala de aula. Mas se, pior ainda, descobrissem que o infeliz lia HQs, gostava de Star Wars ou filmes de super-heróis, o cidadão podia se despedir da sua vida social e da sua honra.
Mas agora tudo mudou: nerds se sentem orgulhosos de sua condição. Usam camisetas em que está escrito que o portador dela é um nerd, chamam os seus blogs de Nerd-alguma coisa e dizem para todos os que querem ouvir que eles são nerds e se sentem bem sendo. Agora existem seriados sobre nerds com audiências altíssimas e qualidades indiscutíveis e, pasmem!, pessoas que não são nerds (e sabem que não o são) fingindo ser para dividir os espólios dessa moda e, pasmem mais ainda!, tentar ter sucesso com as mulheres (é o fim dos tempos!). E até aí, problema nenhum.
Muito pelo contrário, melhor pra nós. O problema é que sempre tem gente que exagera. Agora, ninguém pode ser nerd sem que haja alguém julgando o contrário. Para ser reconhecido e aceito como nerd, praticamente é preciso passar por um teste de iniciação na "irmandade" e provar a sua nerdisse. Em qualquer lugar (twitter, blogs, etc) é possível ver algum testezinho em que se tem que passar para poder se chamar de nerd. E é aí que a coisa toda começa a desandar: já é possível ver gente que, (vamos ser sinceros) logo após aprender algo novo, resolve passar adiante, como um desafio, dizendo algo como "se você não entende isso, você não é um nerd". Como se o fato de alguém ser (ou se dizer ser) um nerd depende dos seus conhecimentos sobre aleatoriedades e não do fato de ele se identificar ou não com a cultura a que chamamos de Cultura Nerd. E, aliás, aí está um outro equívoco. Criam-se regras, mandamentos e leis sobre ser um nerd. Algumas vezes em fóruns ou até mesmo em comentários de blogs vejo gente gritando, como uma beata diante de uma heresia, que "para ser nerd, é preciso ser fã de Star Wars" ou "você não gosta de tal coisa, como pode ainda se chamar de nerd?". O que só nos mostra que nós, nerds, como um grupo, somos iguais aos outros grupos. Agimos como fanáticos religiosos, vendo em cada ação diferente do que fazemos, a existência de alguém que não é digno de conviver conosco. E isso não passa de um absurdo.
Não é o que você sabe que te define como nerd. Para ser nerd, não é preciso saber programar ou entender da linguagem de computadores. Também não é preciso gostar de Química, Física ou outra ciência. Muito menos é saber tudo sobre super-heróis ou mangas/animes. Para ser nerd (ou pertencer a qualquer outra "tribo") é preciso, simplesmente, se identificar com a cultura e com o modo de agir deste grupo. E é a mais pura tolice tentar definir quem é mais ou menos nerd que você. Agindo assim, só se prova a sua mediocridade e se mostra a sua necessidade de aprovação pelos outros.
O que todo mundo precisa aprender é a cuidar da sua própria vida, sem ter a necessidade de aprovar e ser aprovado pelos outros.

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

[UPDATE] Promessas de Ano Novo

É muito bom quando se consegue algo que você quer muito. Foi isso que aconteceu agora a pouco, faz uns 15 minutos. Então, pra comemorar o feito, aí vai uma recapitulação das promessas feitas no final do ano passado e as que já foram cumpridas:

Passar na prova de mestrado
Acabou de sair o resultado. Existiam 6 bolsas de mestrado este semestre e 36 inscritos. Devido a uma interferência de ázarons durante a prova, fiquei em 6ºLugar! Ou seja, fiquei com a última bolsta do programa. Isto é que é alguém que faz exatamente aquilo que é necessário pra conseguir o que precisa!

Fazer um botão pro blog

Mudar o layout do blog
Mudei. Mas mudei mais ou menos. Ainda tô meio que vendo isso.

Aprender a trabalhar no Corel

Começar a estudar
Bom. Quem me viu estudando, principalmente na última semana, pra essa prova do mestrado sabe. Eu tomei vergonha na cara e estudei. Dá pra dizer que eu estudei, em horas absolutas, neste mês mais do que em toda a minha graduação.

Resolver algumas pendências pessoais

Parar de ficar adiando as coisas