terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Chato

Como já disse uma vez Oswaldo Montenegro, é preciso perdoar o chato: ele não tem defeito grave mas sim uma ingenuidade perene - ele acredita que está sendo agradável. Eu até diria mais: todos nós temos um pouco de chatos - e isto é normal - mas tem gente que abusa. Todos nós temos alguma mania chata, que só você e mais ninguém aguenta, e que, por isto mesmo, a gente sempre guarda ela pra quando estiver sozinho. O problema é quando a pessoa não tem este filtro social, quando ela acredita que aquilo é normal.
Existem muitos tipos de chatos - alguns piores que os outros mas todos essencialmente chatos - e todos eles têm cara de chato e podem ser reconhecidos à distância, mas nem sempre evitados: uma vez que ele te viu, ele vai te infernizar a vida. E não adianta mostrar pra ele que você não está interessado no que ele tem a dizer, ele vai dizer assim mesmo; porque ele acredita que você quer saber que o filho dele de 12 anos (chato também, afinal isto é genético) sabe contar até 10 em 25 idiomas. E você vai ter sorte se o dito-cujo não estiver junto, senão você ia ter que escutar tudo.
Chato é aquele cara que te cutuca o tempo todo enquanto fala com você. Ele fala e vai cutucando e por mais que você tente se afastar, não adianta. Ou aquele que falou com você uma vez na vida e já te trata como se fosse um amigo de infância ou quer opinar sobre tudo o que acontece na sua vida - e ele sempre tem a solução pra tudo, lógico. E, como disse Millor, ele vai te explicar tudo tim-tim por tim-tim e depois ainda entrar em detalhes.
Outro tipo de chato, com que, aliás, eu convivo bastante, é aquele que te liga as 8:00 da manhã de um domingo no meio das férias e, quando você atende com aquela voz de sono pergunta "eu te acordei?" "Lógico que não acordou: eu tenho o hábito de acordar antes do sol nascer aos domingos para não fazer nada! Sou meio masoquista mesmo, afinal convivo com você." E, é claro, o motivo que levou o cidadão a te ligar não era nada urgente e poderia esperar até um horário razoável. E, por falar em 8:00 da manhã, não tem nada mais chato do que quando você tá com aquela cara totalmente amassada e pensando em mandar tudo pro inferno e voltar a dormir e o chato vem e grita do teu lado, com aquela voz de felicidade que só os chatos têm "bom dia!". Bom dia é o caralho. Ou então aquele Free Talker que sempre aparece quando você não quer falar com ninguém, começa a tentar conversar sobre o tempo e, antes que você perceba, já te contou a vida inteira dele.
E em teatros, cinemas e shows. Sempre tem um chato por perto. Seja aquele cara que tem 2 metros de altura e resolve ficar na sua frente para que você não enxergue nada ou aquele chato quase profissional que, quando tá com tosse vai ao teatro. Mas o pior nestes casos é aquele chato que bate palma enquanto ri. É sério: experimente ficar do lado de uma pessoa dessas num filme ou numa peça de comédia e você vai saber o que é querer espancar alguém depois de 2 minutos de convivência. Ou então aquele chato que tem que ou comentar sobre tudo o que acontece no filme ou que não entende o que aconteceu e fica perguntando pra pessoa do lado "Quem é ele?", "Onde é este lugar?" ou "Ele vai morrer?".
Também é chato aquele que, quando tem qualquer coisa, fica esfregando na cara dos outros. "O meu celular consegue acessar a internet, tirar foto, gravar vídeos, assoviar, chupar cana e coçar as minhas costas AO MESMO TEMPO". E daí você pergunta: "E eu com isso?" e é taxado de mal-educado (ou maleducado? Esta reforma ortográfica é uma das coisas mais chatas que já fizeram). Aliás, ter que ser sempre educado é muito chato também.
E existem também os chatos mais leves, mais inofensivos até. Aquele chato que quando você pergunta se está tudo bem com ele, ele responde. "Tudo bem?" é igual a "oi". É automático: "Tudo bem?", "Tudo. E você?". A pessoa não quer saber se está tudo bem com você, ela está te cumprimentando. Só isso, simples assim. Ou então, algo raro aqui em Curitiba (ainda bem), aquele que se você diz "aparece lá em casa um dia desses", ele aparece. "Aparece lá em casa" é como o "Vamos marcar": é pra demonstrar uma vontade de querer ver a pessoa mas deixando claro que não é agora, que você vai convidar a pessoa quando você quiser. Mas o chato nunca consegue entender este tipo de coisa.
Mas somos todos chatos. Todos nós carregamos dentro de nossa personalidade algo completamente chato, insuportável até. Afinal, chato é aquele que fica reclamando dos outros chatos. Eu também estou sendo chato por estar escrevendo este texto. Mas mesmo assim, é preciso perdoar o chato.

3 comentários:

  1. esta foi aquela idéia que surgiu durante o preparo do sanduíche? enquanto que, desconfio, eu te atazanava no msn?

    han. acho que entendi.

    ResponderExcluir
  2. Aiai, será que eu digo que você é o mais chato de todos os chatos? Primeiro pq vc é meu amigo, e depois pq vc consegue ser mais chato do que eu em dia cu, e depois pq vc só ri das minhas desgraças. tem como ser MAIS chato? Tem, e você sabe disso.

    ResponderExcluir